SOBRE A DISPLASIA COXOFEMORAL

O exame radiográfico é uma técnica rotineiramente utilizada para estreitar o diagnóstico das doenças pélvicas em cães. A necrose asséptica da cabeça femoral e a displasia coxofemoral atingem essa região apresentando características clínicas e radiográficas específicas. 

Introdução

Existem duas doenças articulares principais que acometem a pelve de cães, que são a Displasia coxofemoral e a Necrose asséptica da cabeça do fêmur. Estas duas doenças apesar das diferentes em sua fisiopatologia e etiologia, atingem a mesma região – a articulação coxofemoral. O diagnóstico por imagem é indicado para confirmação desse diagnóstico e ainda para determinar a melhor propedêutica futura para esses pacientes, já que em determinada circunstancias consegue-se analisar as alterações conseqüentes, como à doença articular degenerativa.

Dentre as fundamentais diferenças de tais enfermidades, nota-se o tipo de cão que são acometidos por elas, posto que a Necrose asséptica da cabeça do fêmur atinge os cães de raças pequenos, enquanto a Displasia coxofemoral afeta cães de raças maiores, de médio a grande porte.

A displasia coxofemoral  é uma doença classificada como multifatorial. Evidentemente inúmeras outras etiologias estão associadas, tipo: hereditariedade, supernutrição (cães obesos), grau de exercício físico(exemplo, piso liso).

Até hoje se discute sobre a sua fisiopatogenia e acredita-se que a disparidade entre a massa muscular primária e o crescimento esquelético rápido gera uma alteração na biomecânica da articulação. Estes fatores geram a inflamação da membrana sinovial o que consequentemente causa um relaxamento do ligamento redondo e flacidez na cápsula articular, causando a dor e a claudicação.

O Dr. Gail Smith, após anos de pesquisa conseguiu comprovar que uma das causas relacionadas ao desenvolvimento da displasia coxofemoral é o grau de frouxidão (flacidez) de cápsula articular. Tal flacidez aumenta a instabilidade que posteriormente incide sobre a subluxação dessa articulação. Isso foi afirmado porque algumas raças não apresentam essa doença, exemplo a Galgo. Nesta raça a cápsula articular é tão rígida não gerando nenhum grau de subluxação.

Essa teoria foi mais bem sustentada com a utilização de um equipamento que mede o grau de frouxidão articular. O equipamento é chamado de Distrator – PennHIP. Com esse equipamento o diagnóstico da doença pode ocorrer anteriormente a sua manifestação clínica.

O diagnóstico da displasia coxofemoral é clínico e radiográfico. Agora vale ressaltar que em filhotes com a articulação ainda imatura o diagnóstico é mais dificultoso, principalmente em filmes radiográficos no qual não se utilizam em conjunto equipamentos que estressam a articulação como o distrator PennHIP.

A doença pode ser classificada como Bimodal, ocorrendo em animais jovens e idosos. Os sinais clínicos são: claudicação, dificuldade locomotora, perda de equilíbrio dos membros pélvicos. Quando esses sinais estão presentes geralmente os sinais radiográficos são positivos também. A maior dificuldade esta na exclusão de animais positivos para a reprodução (controle de hereditariedade).

As técnicas radiográficas mais utilizadas são: o exame radiográfico convencional e o exame radiográfico com o distrator articular. Agora, independente da técnica a ser escolhida, é sempre necessário à anestesia geral para o posicionamento correto do animal. Para esse diagnóstico é imprescindível um exame de boa qualidade radiográfico, com posicionamento ideal e isso só se faz anestesiando mesmo o paciente. É interessante salientar que em um bom protocolo anestésico associações com relaxadores da musculatura é o mais recomendado.

Para o exame radiográfico convencional se faz uma projeção ventrodorsal com os membros paralelos e em extensão, no filme deve-se incluir a asa do ílio e ainda a articulação femoropatelar. Os sinais radiográficos quando presentes são subluxação ou luxação da articulação coxofemoral (unilateral ou bilateral), e os sinais estão correlacionados a doença articular degenerativa como: identificação da linha de Morgan, colar de osteofitos pericondrais na cabeça femoral, colo femoral espessado e irregular, esclerose subcondral da cabeça femoral, arrasamento acetabular, achatamento da cabeça femoral, arrasamento acetabular, achatamento da cabeça femoral, osteofitos e entenseofitos.

Ressalta-se que para controle de hereditariedade o recomendado é que o exame radiográfico seja realizado na idade entre 18-24 meses, caso queira proceder o exame de seleção de animais indica-se pesquisa sobre as recomendações indicadas pelo Colégio Brasileiro de Radiologia Veterinária, no qual as normas devem ser seguidas de maneira adequada.

O método de distração PennHIP pode ser executado em animais mais jovens, sendo esse um papel importante para a técnica, detectar precocemente a doença. É permitido que o exame seja realizado em cães a partir de quatro meses de idade, entretanto o ideal seria a partir de seis meses. O realizador dessa técnica atualmente indica que quando o exame for executado em animais com idade entre 4-6 meses é interessante repetir o teste, em torno de um ano ou um ano e seis meses, atingindo-se assim maior eficiência diagnóstica.

O exame tem a função de analisar o grau de frouxidão ou elasticidade da cápsula articular. A frouxidão articular é mensurada após a promoção da distração articular com o equipamento, sendo então calculado o índice de distração (ID). É recomendado que os filmes sejam enviados ao Centro de pesquisa da Universidade da Pensilvânia.

De qualquer forma, a mensuração do ID consiste nos cálculos de medição do centro da cabeça femoral até a borda acetábulo (traçado linear) divididos pela distância do raio formado pela cabeça femoral. Este resultado indica o quanto á cabeça femoral “desloca-se” da articulação. Por exemplo, ID = 0,75, ou seja, 75% da cabeça femoral está concentrada fora da junção. Os valores ideais para ID da raça Labrador é de 0,3 e para outras raças incluindo os Pastores Alemães e Rottwaillers são de 0,4.

Em nossa rotina aplicamos a técnica PennHIP naqueles cães em que o exame radiográfico convencional deu negativo, ou em pacientes no qual á dificuldades de se determinar com segurança o diagnostico negativo, principalmente se existir variações interobservadores (mais de uma leitor não interpretar da mesma maneira no momento do exame). Desta maneira conseguimos afirmar com maior segurança a ausência da doença. Sempre realizamos o exame após a técnica radiográfica convencional, porque, se o exame convencional der positivo, não é tão interessante realizar a técnica de distração, pois prolongaríamos o tempo anestésico e estressaremos, desnecessariamente, a articulação.

Em pacientes mais velhos, cães de meia idade a idosos, sempre realizamos em conjunto com ao posicionamento ventrodorsal em extensão da pelve a projeção lateral, permitindo uma análise também da coluna lombrossacral; alguns animais podem apresentar sinais de instabilidade lombossacral concomitante. Até porque, se pensa em manejo terapêutico cirúrgico para a displasia e eventualmente se esquece de que o problema também pode estar na coluna.

Sem dúvida algumas das duas técnicas, exame radiográfico convencional e técnica da distração, são importantes para o diagnóstico da Displasia Coxofemoral, tendo cada qual sua vantagem e desvantagem.

Conclusões: O exame radiográfico é de grande valia para complementação diagnóstica das doenças pélvicas em cães. O conhecimento das suas aplicabilidades, acurácia e possíveis falhas diagnósticas auxiliam o médico veterinário no melhor planejamento e conduta para com os seus pacientes.

Artigo retirado da revista V&Z em Minas Jul/Ago/Set 2011 Ano XXI # 110, pag.35 a 39; Artigo Técnico 5.

Autor (a): Tilde Rodrigues Froes – Medica Veterinária CRMV-PR n° 7029/VS, Doutora, Profa. Adjunto III – Departamento de Medicina Veterinária – UFPR.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest

Deixe aqui seu comentário