SELEÇÃO DE DOADORES DE SANGUE

Assim como na medicina, a doação de sangue é um procedimento seguro, isento de riscos desde que sejam obedecidos alguns critérios.

Os cães devem ser adultos saudáveis com idade de 1 a 8 anos, peso mínimo de 27 kg, dóceis, com vacinação e vermifugação atualizadas, controlados para pulgas e carrapatos.

Antes da doação, realiza-se uma série de exames laboratoriais incluindo:

Hemograma: caracterizado por um perfil sanguíneo geral para detecção de anemias e infecções muitas delas sem sintomas.

Erliquiose (Ehrlichia canis): doença transmitida pelo carrapato em que o cão pode permanecer sem sintomas até 5 anos. As manifestações clínicas mais comuns são: falta de apetite, apatia, fraqueza causada pela anemia, sangramento pelo corpo ocasionado pela diminuição de plaquetas e febre.

Dirofilariose (Dirofilaria immitis): verme que se instala no coração do cachorro. Geralmente, evolui para uma cardiopatia após alguns anos com manifestações clínicas de tosse, dificuldade para respirar e cansaço fácil.

Doença de Lyme (Borrelia burgdorferi): doença transmitida pelo carrapato caracterizada por inflamação das articulações (artrite) e febre.

Brucelose (Brucella canis): enfermidade transmitida principalmente pelo acasalamento. O cão pode não apresentar sintomas ou manifestar alterações como abortos, febre e inflamação dos testículos e discos da coluna vertebral.

Leishmaniose (Leishmania sp): doença infecciosa transmitida por um mosquito (gênero Lutzomyia) sendo o cão portador da doença tornando-se fonte de infecção para outras espécies. Pode permanecer sem sintomas ou apresentar as seguintes alterações clínicas: emagrecimento progressivo, descamação excessiva da pele, crescimento exagerado das unhas, úlceras, diminuição do apetite, órgãos como baço e fígado aumentados de tamanho.

Com exceção da erliquiose, todas as doenças citadas acima são consideradas zoonoses, ou seja, são enfermidades transmitidas do animal para o homem.

Estarão aptos à doação os animais que não forem constatados nenhuma alteração laboratorial. Desse modo, o dono terá um acompanhamento físico e laboratorial periódico de seu cão e caso haja a detecção de alguma anormalidade poderá ser instituído o tratamento de forma precoce antes mesmo das manifestações clínicas que contribuem para a debilidade do seu estado geral comprometendo uma recuperação mais rápida.

A coleta é realizada, após desinfecção local, pela punção da veia cefálica (veia do membro dianteiro) ou pela jugular (veia do pescoço). O tempo de coleta gira em torno de 5 a 15 minutos dependendo da veia de acesso sendo mais rápida no caso da jugular. Raramente realiza-se a sedação procurando deixar o animal na posição mais confortável possível.

SEU CÃO PODE SE TORNAR UM DOADOR E SALVAR VIDAS… NÃO EXISTE OUTRA FORMA DE OBTENÇÃO DESTE ELEMENTO ESSENCIAL E DECISIVO EM MUITAS SITUAÇÕES EMERGENCIAIS.

Se você tiver interesse que seu animal seja doador se sangue, entre em contato para maiores informações:

Hemovet – laboratório e centro de hemoterapia veterinária

F. (11) 2918-8050

www.hemovet.com.br

hemovet@hemovet.com.br

OBS: serviço de coleta a domicílio (acima de 5 cães doadores)

Artigo de autoria da Dra. Simone Gonçalves

MV responsável pelo serviço de hemoterapia do HEMOVET

CRMV-SP 10.141.

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest

Deixe aqui seu comentário