CASTRAÇÃO

Existem muitas dúvidas, mitos e polêmicas quando o assunto é castração.
Muitos tutores perguntam sobre castrar ou não seu animal de estimação, qual a melhor
idade para fazer o procedimento cirúrgico, e quais suas vantagens e desvantagens em
relação a saúde do animal .
Primeiro, esqueça todos os mitos que os cães precisam cruzar antes de ser
castrados, ou que fêmeas precisam ter pelo menos uma cria. Cães não sofrem por falta
de atividade sexual e as fêmeas tem mais chances de desenvolvimento de tumores de
mama e útero após uma cria. Por isso, os acasalamentos de cães de raças, devem ser
feitos apenas em canis especializados e credenciados. Os cães para reprodução são
acompanhados periodicamente pelos médicos veterinários responsáveis , são
submetidos a exames constantes, para estarem sempre saudáveis neste ciclo . A saúde
mental e física devem estar sempre em primeiro lugar.
A castração pode evitar que os animais adquiram certas doenças, mas os deixam
mais propensos a outras.
A idade certa para realizar a castração de um cão pode variar. A maioria dos
veterinários recomenda que seja feita entre os seis e oito meses de idade, quando o pet
já trocou toda a dentição e tomou todas as vacinas. No entanto, no caso de cães de
grande porte e gigante, como por exemplo, o Golden Retriever, o ideal é esperar a
fêmea completar um ano de idade, e o macho dois anos para realizar o procedimento.
Veja nas explicações das vantagens e desvantagens.
VANTAGENS E DESVANTAGENS DA CASTRAÇÃO
É necessária mais investigação nesta área em particular nas especificidades de
cada raça de cão e relativamente às doenças relacionadas com predisposição racial e a
idade para esterilização.

No geral, VANTAGENS de castrar um cão:

  • Controle populacional : A castração de caninos e felinos é uma importante
    ferramenta no controle populacional. Tradicionalmente, tem sido recomendada após o
    animal atingir a puberdade, mas uma demanda relativamente recente pela adoção de
    filhotes de abrigos já castrados despertou a classe veterinária para a castração realizada
    em período pré-púbere. O tema castração de animais, incluindo a castração pré-púbere,
    foge, muitas vezes, do âmbito puramente técnico para o âmbito social.
    Constatou-se que grande número de proprietários adotavam filhotes em abrigos com o
    compromisso de castrá-los posteriormente, mas falhavam em fazê-lo e permitiam a
    reprodução, gerando, muitas vezes, proles indesejadas (Stubbs et al., 1995; Howe e
    Olson, 2000). Em estudo conduzido por Dorr Research Corporation of Boston e
    publicado pela Massachusetts Society for the Prevention of Cruelty to Animals
    (MSPCA), 73% e 87% dos proprietários de cães e gatos respectivamente, afirmavam
    que seus animais eram castrados, mas aproximadamente 20% acabavam produzindo
    pelo menos uma ninhada antes da cirurgia. Dessa maneira, a castração pré – púbere,
    filhotes, passou a ser uma importante ferramenta no controle da superpopulação e
    abandono de animais (Howe e Olson, 2000);
  • Nos machos, a castração previne o aparecimento de tumores testiculares e
    hiperplasias prostáticas, já que durante o procedimento os testículos dos animais são
    removidos. A chance de um problema na bexiga, como a micção, também são evitados
    com o procedimento;
  • diminuição de disputas por fêmeas e território (principalmente demarcação pelo habito
    de urinar);
  • Nas fêmeas, a esterilização previne o aparecimento de tumores mamários e úetro
    condição bastante frequente em fêmeas não esterilizadas. Grande parte destes tumores
    têm um caráter maligno. Consegue evitar-se também problemas como piometras,
    quistos ováricos e hiperplasias endometriais. Para além disso, a cadela deixa de ter o
    cio;
  • Elimina-se a chance de gravidez psicológica e uso anticoncepcional, que nas cadelas
    acarreta vários problemas de saúde e não é indicado para prevenir a gravidez;
  • O cio, as perdas de sangue e a gravidez psicológica nas cadelas, e a designada secreção
    prepucial nos machos (abominada pelos donos, dados os constrangimentos higiénicos)
    são questões que não se aplicam a cães e cadelas castrados. Apesar de prevenir algumas doenças, a castração também pode deixar o animal
    propenso a outras doenças , algumas DESVANTAGENS da castração:
  • Complicações durante a operação: Por conta do procedimento necessitar de
    anestesia geral, riscos sempre estarão envolvidos. A idade do cão também influencia
    nesse quesito: quanto mais velho, maior a possibilidade de problemas durante o
    procedimento;
  • Perturbação do equilíbrio hormonal natural do animal com consequências de grande
    alcance para o organismo e também a nível psicológico, particularmente problemático
    em casos de castração prematura (risco do desenvolvimento de doenças do sistema
    musculoesquelético e estagnação do desenvolvimento mental);
  • Propensão a dois tipos de câncer : o osteossarcoma, que atinge os ossos; e o
    hemangiossarcoma, que ataca os vasos sanguíneos, tem mais chance de ocorrer após o
    procedimento;
  • Risco elevado de incontinência urinária: (especialmente em fêmeas de raças de
    grande porte, como Dogue alemão, Terra-nova, Leonberger, Boxer, Schnauzer gigante e
    Dobermann) e aumento do risco do aparecimento de outros tumores;
  • Caso o animal tenha sido castrado na fase pré – púbere, enfermidades como a
    displasia de quadril e a ruptura do ligamento cruzado cranial podem aparecer;
  • A mudança hormonal também pode ocasionar hipertireoidismo, que acontece
    quando a tireóide funciona excessivamente e causa emagrecimento, taquicardia e
    aumento do volume da tireoide;
  • Hipotireoidismo : ocorre devido a queda dos hormônios sexuais no bichinho causada
    pela castração. “A castração é um fator predisponente, e isso tem sido associado ao
    efeito dos hormônios sexuais no sistema imune. A castração aumentaria assim a
    severidade da tireoidite auto-imune.” Fonte: Universidade Federal do Rio Grande do
    Sul. “Essa disfunção hormonal acomete, principalmente, cães de médio ou grande porte,
    entre 4 e 8 anos de idade. As raças mais predispostas são: Golden Retriever, Labrador,
    Dobberman, Cocker Spaniel, Poodle, Beagle, Chow chow, Dachshund e Airedale.
    Fêmeas castradas apresentam maior risco de acometimento. Fonte: Fundação Medicina
    Veterinária;
  • Obesidade : Essa é mais popular, quase todo mundo sabe que os bichinhos tendem a
    engordar após a castração.
    Isso se deve a uma perda do interesse em atividades físicas por parte dos animais
    castrados e a diminuição considerável dos hormônios sexuais (que ajudam no controle
    do peso). . É necessário tratar a obesidade como qualquer outra enfermidade.” “A
    ocorrência da obesidade é uma das formas mais importantes e frequentes da má nutrição
    observada na prática clínica de pequenos animais. Estima-se que afeta de 6 – 12% dos
    gatos, e 25 – 45% da população canina.
    O excesso de peso é um desequilíbrio orgânico que põe em risco à saúde geral, por ser
    um fator altamente predisponente a muitas outras patologias, determinando problemas
    do sistema locomotor e das articulações, alterações cardiopulmonares e endócrinas,
    como a diabetes mellitus, maior susceptibilidade às enfermidades infecciosas, além de
    aumentar os riscos de complicações cirúrgicas (Moser, 1991b; Biourge et al., 1994;
    Ettinger e Feldman, 1995).” Fonte: Universidade José do Rosário Vellano;
  • Em raças com o pelo comprido pode ocorrer que a estrutura do pelo mude. O pelo
    profundo da cama interna torna-se mais espesso e cobre a camada superior do cão,
    dando-lhe assim uma aparência descuidada e sem brilho;
  • Tumores adrenais: Macedo (2011) diz que há uma predisposição nas raças de
    cães como Poodles, Dachshunds, Boston Terriers e Boxers ao desenvolvimento de
    tumores destas glândulas após a castração. Contudo, alerta que pode ocorrer em
    qualquer raça;
  • Dermatopatia hormonal: A dermatose responsiva à testosterona é responsável por
    modificar a cor da pelagem em cães castrados.
    “A dermatose responsiva à testosterona em machos (hipoandrogenismo) tem etiologia
    desconhecida e apresenta sinais clínicos de alopecia bilateral simétrica, modificação na
    cor da pelagem e ocorre em cães castrados. Entre os diagnósticos diferenciais devemos
    incluir o hiperadrenocorticismo e o hipossomatotropismo.”;
    Ler estudo completo https://www.ufrgs.br/lacvet/restrito/pdf/hormonioterapia_peq.pdf
  • Linfomas: É um câncer do sistema linfático, pode ocorrer principalmente em fêmeas
    ovário-histerectomizadas (castradas) ;
  • Pancreatite: “A pancreatite é uma patologia associada a uma alta taxa de mortalidade,
    principalmente por translocação bacteriana, não somente em animais, mas também em
    humanos. (…) Cães da raça yorkshire estão na zona de maior risco, (…) Machos e
    fêmeas castradas parecem ter um risco maior de sofrer da pancreatite, comparados com
    fêmeas intactas.” Fonte: Roche Diagnóstica Brasil;
  • Crescimento elevado : Caso a castração seja realizada antes do final do período de
    crescimento do cão, ele pode acabar crescendo além do normal. Confira quando cães de
    diferentes portes param de crescer:
    Pequeno porte (abaixo de 10 kg): até os 10 meses;
    Médio porte (de 11 a 25 kg): até 12 meses;
    Grande porte (26 a 44 kg): até 15 meses;
    Porte gigante (acima de 45 kg): crescem aproximadamente de 18 a 24 meses.
  • A castração precoce pode ser sinónimo de problemas e de doenças no sistema
    musculoesquelético. Além disso, cães e cadelas castrados veem aumentadas as
    probabilidades de serem acometidos por outros tumores; de acordo com várias
    investigações, a castração em pré – púbere contribui de forma negativa para a ocorrência
    de tumores cardíacos, do baço e ósseos.
    MÉTODO CIRÚRGICO
  • Gonadectomia ou castração pré-púbere significa a esterilização cirúrgica de animais
    sexualmente imaturos.
  • FÊMEA : “A ovariosalpingohisterectomia (OSH) é
    o método cirúrgico de escolha para a esterilização da cadela e gatas . Existe a vantagem
    adicional da redução do risco de neoplasias mamárias se realizada antes do 1º ou 2º
    ciclo estral e ainda elimina o risco de piometra e pseudogestação. Esta intervenção
    apresenta efeitos colaterais como, incontinência urinária, obesidade, vulva infantil,
    alopecia, mudança da cor e da textura dos pêlos, além de ser um método irreversível.
    Dentre outras complicações existe também a Síndrome do Resto Ovárico (Animais com
    SRO apresentam sintomas relacionados com a produção endógena de hormônios pelo
    resto de tecido ovariano presente no abdomen.”). Fonte: Universidade Federal do Rio
    Grande do Sul.
  • MACHO: “A orquiectomia é o método cirúrgico de
    escolha para a esterilização dos machos. As complicações mais frequentes que ocorrem
    após a orquiectomia incluem obesidade, incontinência urinária, pancreatites, neoplasias
    prostáticas e alopecia (Soares e Silva, 1998; Salmeri et al., 1991; Howe e Olson, 2000;
    Johnston et al., 2001). Howe e Olson (2000) relataram retardo do fechamento das fises
    dos ossos longos (rádio/ulna) em cães castrados com sete semanas de vida ou aos sete
    meses, sugerindo um ligeiro aumento da estatura dos animais quando comparados aos
    não-castrados.
    Relativamente aos machos, é feita uma incisão no escroto. Os testículos e os epidídimos
    são deslocados, o cordão espermático e as veias sanguíneas são ligadas. Desta forma,
    ambos os testículos podem ser removidos através de uma única incisão. No caso de o
    escroto estar deslocado, este deve ser removido. É muito raro, mas se um ou ambos os
    testículos não tiverem descido para o saco escrotal (criptorquia), permanecendo na
    virilha ou na cavidade abdominal, é necessário considerar uma intervenção diferente.
    Após a operação ( macho e fêmea), é importante que sejam evitados grandes esforços –
    isto até que os pontos sejam removidos, cerca de 10 dias depois. Além disso, para que a
    ferida cicatrize bem não deve ser aplicada qualquer tipo de pressão sobre a mesma. O
    aconselhável é manter a trela curta e adiar os passeios mais longos e aventureiros para
    mais tarde. Também subir escadas e saltar desde o sofá ou do porta-bagagens são
    movimentos a evitar.
    CONSIDERAÇÕES FINAIS
    Castrar ou não um cão é, então, uma decisão que requer ponderação. Para que
    sejam evitadas surpresas desagradáveis ou decepções relativas a expectativas não
    satisfeitas, o médico veterinário deve explicar em detalhe os prós e os contras do
    procedimento. Informe-se acerca da operação em si, do processo de recuperação e das
    alternativas possíveis e reserve algum tempo para refletir antes de tomar uma decisão
    definitiva. É fundamental que o veterinário conheça bem o animal antes de fazer
    recomendações. A castração não constitui a solução ideal para todos os cães – cada
    caso é um caso e é imperativo que os prós sejam superiores aos contras. Fatores
    individuais, como raça, género, idade, peso, tamanho e comportamento social são
    determinantes para a decisão. Se não se sentir totalmente seguro ou tiver a sensação
    de que o médico veterinário não está a ser claro o suficiente, não hesite e procure uma
    segunda opinião.
    Embora muitos donos discordem da medida, castrar o cachorro pode ser
    um benéfico necessário. Mesmo assim, a decisão deve ser bastante ponderada e
    receber ajuda de um veterinário, já que podem existir ricos e desvantagens
    também.
    Fontes:
    https://canaldopet.ig.com.br/cuidados/saude/2018-01-26/castrar-o-cachorro.html
    https://www.nutrire.ind.br/blog/post/castracao-em-caes-vantagens-e-desvantagens
    https://www.zooplus.pt/magazine/caes/saude-do-cao-e-cuidados/castracao-de-caes
    https://sites.google.com/site/saudecanina/artigos-uteis-aos-leigos-e-aosveterinarios/castracao-caes-algumas-das-doencas-que-podem-ser-causadas-pelaextracao-dos-testiculos-ou-dos-ovarios
    https://repositorio.ufmg.br/bitstream/1843/BUOS9C6FBU/1/monografia_castra__o_precoce_para_entregar.pdf

Gostou do nosso artigo? Compartilhe nas redes sociais

Share on facebook
Compartilhe no Facebook
Share on twitter
Compartilhe no Twitter
Share on linkedin
Compartilhe no Linkdin
Share on pinterest
Compartilhe no Pinterest

Deixe aqui seu comentário